Denúncia de homofobia atinge presidente do Conselho de Ética do Fortaleza

269 1

Um documento assinado por 315 associados do Fortaleza Esporte Clube requer a destituição imediata do presidente do Conselho de Ética e Disciplina, Raimundo Advincula Nobre Lima. O requerimento foi protocolado nesta sexta-feira (5/6) na Diretoria do Conselho Deliberativo da agremiação e pede a instauração do competente processo administrativo e consequente julgamento do denunciado em Assembleia Geral.

De acordo com o documento, a que o Blog do Maranhão teve acesso em primeira mão, a causa do requerimento é um post de caráter homofóbico publicado por Advincula na última terça-feira (2/6) em sua conta na rede social Facebook. A publicação traz uma foto de dois homens com os lábios encostados e tem como legenda o seguinte texto: “Essa é a esquerda! Quem quiser que seja homossexual, mas não publicamente. Isso é atentado violento ao pudor”.

Ainda segundo o requerimento, “horas depois, diante da enorme repercussão negativa do que fora dito, Advincula apagou a publicação” e emitiu o que considerou ser uma nota de ‘desculpas. No texto, o presidente do Conselho de Ética do Fortaleza diz que em sua família “tem pessoas com orientação de sexualidade diversa!” e vai além. “Tenho amigos homossexuais, de modo que sou contra, conforme acentuei na postagem, que atos libidinosos aconteçam publicamente porque as crianças não iriam entender”.

Por fim, Advincula ainda afirma que não era sua intenção “ofender a quem quer que seja”, por isso teria apagado a postagem, “que não foi muito feliz”, reconhece, e pede desculpas aos que se sentiram ofendidos. “Quem nunca errou que seja o primeiro a atirar uma pedra”.

O mea culpa não foi bem recebido pelos torcedores tricolores indignados com o teor homofóbico das mensagens. No requerimento da destituição, os signatários comentam: “A emenda saiu pior que o soneto. Não parece haver qualquer arrependimento por parte do requerido. Ao longo de sua
‘retratação’, o Sr. Advincula lança mão de diversos clichês que pouco simbolizam uma verdadeira mudança de mentalidade. Pior, reitera ser contra ‘que ATOS LIBIDINOSOS aconteçam publicamente’”

No seu embasamento legal para solicitar a destituição de Advíncula, o requerimento lembra a recente criminalização da homofobia, a consequente recomendação do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, orientando que os clubes e Federações atuem de forma preventiva com campanhas educativas contra casos de homofobia no futebol brasileiro, e o reconhecimento da união estável de casais homoafetivos pela Justiça Brasileira.

O documento ainda alerta para os danos moral e de imagem que permanência de Advincula no cargo pode acarretar ao Fortaleza Esporte Clube, que, há dois anos, promove campanhas institucionais de combate à homofobia entre seus associados e torcedores.

O presidente do Clube. Marcelo Paz, manifestou-se sobre a polêmica em um post no Instagram. Sob uma imagem com os dizeres: “HOMOFOBIA NÃO”, grafados em maiúsculas e nas cores do arco-íris, Paz apontou discordância pessoal e institucional do pensamento de Advincula. “Destaco que discordo da postura do senhor Advincula, que emitiu um posicionamento pessoal em suas redes sociais e não representa, em nenhuma hipótese, um grupo ou mesmo a nossa instituição”.

O presidente continua: “Conversei com ele hoje, se mostrou arrependido e me disse que como cristão é contra qualquer preconceito e que defende o respeito a todos os seres humanos feitos à semelhança de Deus”. No entanto, Paz ressalta que “o Conselho de Ética do FEC é um órgão independente, legitimamente eleito e que regula os próprios atos. Portanto, responsável por analisar qualquer medida que possa vir a ser tomada”.

Procurada pelo site, a assessoria de imprensa do Conselho Deliberativo do Fortaleza Esporte Clube anunciou que soltará uma nota oficial sobre o caso ainda nesta sexta-feira. O site tentou entrar em contato com Raimundo Advincula Nobre Lima e está esperando retorno da assessoria de imprensa.

1 comment

Deixe uma resposta