Curta brasileiro é selecionado para a Mostra Cinéfondation do Festival de Cannes

260 0

O paradoxo entre a metrópole e a natureza que literalmente a rodeia ganha corpo numa localidade: a Serra da Cantareira. Esse é o tema do curta-metragem Cantareira, realizado pelo paulistano Rodrigo Ribeyro e selecionado para a seleção Cinéfondation de 2021 – focada em novos diretores, ainda estudantes – do Festival de Cinema de Cannes, o mais tradicional do mundo.

Produzido como trabalho de conclusão de curso da Academia Internacional de Cinema de São Paulo, o filme marca presença na competição  que, como o próprio festival define, é destinada “para inspirar e dar apoio à próxima geração de realizadores de cinema”.   

“É uma notícia que dá energia”, define Ribeyro. Com razão, afinal, trata-se de uma seleção composta por 15 a 20 curtas escolhidos entre candidatos do mundo todo. O sucesso do projeto é resultado de um processo criativo que aborda as nuances da capital paulistana que, de tão intensas, reverberam em territórios vizinhos.

“O filme acompanha uma mudança que hoje acontece na Serra da Cantareira. Há um impacto econômico, ambiental e social que tem seus prós e contras, suas ambiguidades. Por conta disso, há vários aspectos documentais como, por exemplo, a locação da cena final, a Pedreira do Dib, que neste momento está sendo fortemente descaracterizada”, diz o realizador.

O filme mostra a história de Bento e Sylvio, neto e avô respectivamente, ambos com raízes profundas na Serra da Cantareira, mas em momentos diferentes de vida. O mais velho contempla preocupado o atual estado da Serra, com o “avanço” à espreita do aspecto natural do lugar, já cicatrizado por lojas e estradas abertas em meio a mata. O jovem vive em São Paulo, solitário, envolto pela cacofonia da cidade grande. Seria melhor voltar ao lugar onde cresceu?   

O diretor baseou muito de sua vivência para criar o roteiro. “Eu cresci na Cantareira, nesse lugar tranquilo, onde o tempo corre (ou corria) numa outra velocidade e onde o som colabora (ou colaborava) para um estado muito mais sereno”, descreve. “Mudar para o centro de São Paulo, fazer amizade com os trabalhadores da região e perceber todas essas diferenças foi a faísca”.  

Com fotografia de Dani Drummond e arte de Gabriela Taiara, esse confronto entre o cosmopolita e o rural se faz valer da melhor maneira cinematográfica. Qualidade percebida pela curadoria da Cinéfondation. O Festival de Cannes vai acontecer entre 6 e 17 de julho de 2021.   

Confira fotogaleria:

FICHA TÉCNICA  

ELENCO  

Bento – Emiliano Favacho   

Sylvio – Almir Guilhermino   

Leo – Guilherme Dourado   

Maria (Fogueira) – Margot Varella   

Senhor da Cachoeira – Gelson dos Santos   

EQUIPE   

Roteiro, Direção, Montagem e Desenho de Som – Rodrigo Ribeyro   

Assistente de Direção – Eva Moreira   

Direção de Fotografia, Cor e Assistência de Montagem – Dani Drumond   

Assistente de Fotografia e Figuração – Shay Peled   

Drone – Paulo Chou   

Cleaning – Eduardo Nascimento   

Direção de Produção – Isis Ramos   

Assistente de Produção, Casting e Figuração – Wagner Vieira   

Assistente de Produção – Juliana Santos   

Som Direto – Uirá Ozzetti   

Mixagem de Som – Ricardo Zollner   

Direção de Arte – Gabriela Taiara   

Assistente de Arte e Maquiagem – Madu Medeiros   

Assistente de Arte e Maquiagem – Jé Bertoni   

Produção Executiva e Apoio – Sylmara Ribeiro   

Marceneiro e Motorista – Eduardo Oklinhos  

Segurança – Luiz Cláudio   

Tradução Inglês – Flavia Ribeiro   

Legendas e DCP – Onda Finalização   

Realização – AIC, Cachorro Sensível Filmes e Tipiti Filmes.

Deixe uma resposta